Fala do Jornalista Raimundo Marinho


Fala do Jornalista Raimundo Marinho

Por: Redação do Jornal da 88

Jornalista RAIMUNDO MARINHO
Adaptação da fala na Rádio 88 FM, dia 27.11.2023

Entendendo a falta d'água Finalmente, os vereadores, acho que de forma unânime, assumiram que a verdadeira causa da falta d'água nas casas, em Livramento, é a decadência da ETA (Estação de Tratamento de Água). Pois há água bruta em abundância, como mostra nossa cachoeira! Do mesmo modo, reconheceram a responsabilidade do prefeito Ricardo Ribeiro, até agora omisso! Cabe a ele exigir da Embasa o cumprimento do contrato, ainda que fora da lei, mas aprovado pela própria Câmara e assinado pelo alcaide, constando que foi sob pressão do então governador Rui Costa. Na sessão de 24/11, o vereador Juscélio Pires confirmou a pressão, dizendo que houve acordo entre governador, vereadores e prefeito para a renovação, e que o governador teria dito que só levaria água para Iguatemi se o tal contrato fosse assinado logo! Isso livrou a empresa da licitação exigida na nova LNS (Lei Nacional do Saneamento).

Ou seja, foi uma chantagem em favor da Embasa e contra a população! Todos sabiam da deficiência dos serviços, além da inadimplência da empresa e que era necessária uma nova ETA! A meu ver, algo criminoso, que Juscélio, mesmo sendo da oposição, não denunciou! Os vereadores Josemar Miranda e Márcio Alan abriram o debate, na Câmara, acolhido pelos nobres colegas. Afinal, teremos eleição ano que vem! Foi positivo, ao mostrar que o responsável por fiscalizar a execução do contrato é o prefeito. Mesmo assim, estão usando a Coelba como bode expiatório, por negligenciar o fornecimento de energia para bombeamento da água. Estranho, pois o sistema é por gravidade e nada foi dito, antes, sobre isso! Sem falar que a Coelba é mera concessionária de serviços público, sujeita à fiscalização municipal. Se há deficiência nos seus serviços, assim como da Embasa, cabe à gestão municipal fiscalizar, e não ser negligente como está sendo.

Nossa República está agitda O Senado aprovou, dia 22/11, por 52 a 18 votos, a PEC-8/2021 (Proposta de Emenda Constitucional) que limita decisões monocráticas do STF (Supremo Tribunal Federal). A proposta irá, agora, para discussão na Câmara dos Deputados. Decisão é monocrática quando tomada só por um dos ministros e não pelo colegiado dos 11 inegrantes da Corte. A limitação já existe na CF (Constituição Federal), mas os senadores entendem que está sendo ultrapassada, de forma  abusiva, e invadindo a esfera do Legislativo. A aprovação teve até o voto favorável do senador Jaques Wanger (PT-BA), líder do governo (Senado), seguido pelos colegas baianos Ângelo Coronel e Otto Alencar, ambos do PDS.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo (Estadão), isso levou os supremos ministros a chamar Wagner de traidor. E a conclusão que está sendo tirada é que se houve traição é porque havia um casamento, um pacto, entre Executivo e Judiciário. Pacto do qual faria parte a descondenação do atual presidente da República. Nada republicano, portanto! Foram divulgadas pela imprensa falas de ministros do STF reagindo contra a aprovação. Chegaram a dizer que a Corte não era composta por covardes, nem se deixaria intimidar. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, considerou a reação um tanto desproporcional, que não há intimidação aos ministros e que também os senadores têm a mesma coragem cívica, sem medo, e igualmente não aceitam serem intimidados.

Para refletir REZAR É FALAR COM DEUS (do nosso livro Hora do Ângelus, Pensares para Rezar). Rezar não é repetir algo decorado ou ler texto de autor desconhecido, nem balbuciar ou gritar palavras cujo significado muitas vezes se ignora. Rezar é conversar com Deus, ou deveria ser. Sendo assim, deve haver concentração e respeito, em local isolado e silencioso, salvo em situações de desespero. O mesmo deve ser nas orações coletivas, tendo certeza de que Deus nos ouve, embora Ele não fique parado escutando cada um de nós! São milhões rezando, mundo afora! Não seria lógico imaginar Deus parado ouvindo e anotando os milhões de pedidos. Há uma lei natural regulando o sentido da oração. Ela nos liga às poderosas forças que há em nós e na natureza, conforme as leis de Deus.

Somos como um aparelho elétrico, ligado a uma fonte energética! A oração é o fio que nos conecta à rede energética universal, organizada por Deus, para nos alimentar no que for preciso. Jesus recomentou a oração constante e garantiu que o que for pedido será dado. Muita atenção, portanto, ao rezar, lembrando que o resultado pode não ser imediato. As mudanças positivias vão sendo vistas e sentidas no desenvolver da vida! Toda oração nos liga à energia de Deus, mesmo a que inventamos, com nossas palavras, basta se concentrar e acreditar. Ao rezar, cuida para não ser perturbado e para não haver ruídos na conexão com a energia de Deus! Pensem nisso!