Fala do Jornalista Raimundo Marinho


Fala do Jornalista Raimundo Marinho

Por: Redação do Jornal da 88

Jornalista RAIMUNDO MARINHO
Adaptação da fala na Rádio 88 FM, dia 24.11.2023

Prefeito nem liga O incômodo hoje dominante, em Livramento, é a falta d'água, e deve persistir por muito tempo, pelo descaso dos gestores. A única cobrada é a Embasa, mas quem a contratou, por mais 30 anos, foi a prefeitura. O responsável é o pefeito, que assinou o contrato, e os vereadores que aprovaram, pulando por cima de requisitos de validade previstos na LNS (Lei Nacional do Saneamento). Há mais de 20 anos, a Embasa ignora o esgoto, acobertada pela irresponsabilidade dos prefeitos, que não cobram dela. E ela não cumpriu nenhuma meta do contrato atual. Aliás, os gerentes locais nem viram esse documento! A cláusula 29, por exemplo, determina a interveção da Prefetura, se a Embasa ficar inadimplente! Mas prefeito e vereadores nada fazem! A exigência maior, hoje, é construir nova ETA (Estação de Tratamento de Água), ou ampliar a atual, além da coleta e tratamento dos esgotos.

Metas esquecidas O texto do Plano de Governo do prefeito Ricardo Ribeiro (Livramento), desde a 1ª eleição (2016), começa perguntando: O Que é ser um bom prefeito? E destaca a boa gestão dos recursos financeiros como  conduta exigida de um bom gestor. Mas ele caminha para o final do 2º mandato sem responder à pergunta e sem demonstrar eficácia na aplicação correta dos recursos, sendo muitas as queixas da má qualidade dos serviços públicos. Além disso, não cumpriu nem 10% das metas. Por exemplo, falta revitalizar as residências estudantis; trazer ensino superior para Livramento; revisar o plano de Carreira da Educação e implantar o da Saúde; adquirir equipamentos de diagnóstsico para o hospital; trazer uma policlínica, em parceria regional; UPA em Itanajé e Iguatemi; revisar Plano Diretor; apoio e incentivo à uma indústria para processar frutas; trazer o  SAC; transporte coletivo entre bairros e povoados na sede municipal; anel rodoviário. E muito mais!

Tem Plano Diretor Em entrevista, ontem, aqui na 88FM,  sobre um novo loteamento, o corretor Rafael Lima disse que Livrmaento não tem Plano Diretor! Tem sim, está na Lei Municipal nº 1.043/2006, com 138 artigos, sancionada pelo então prefeito Carlos Roberto Souto Batista. O plano orienta o desenvolvimento e expansão urbana do município. Cumpre as exigências da Constituição Federal, do Estatuto da Cidade (Lei Federal nº 10.257/2001), e das leis estaduais e municipais (Lei Orgânica e Código de Postura). Só não é cumprido!

Para refletir

O JOVEM E AS OSTRAS (Do nosso livro Hora do Ângelus, Pensares Para Rezar)

Gosto muito de ouvir palestras. Elas são frutos de estudos, pesquisas e experiências reunidos pelos palestrantes, que costumam nos trazer conhecimentos valiosos, de forma rápida e resumida. Em uma das muitas a que já assisti, ouvi a história de renomado escritor, que se isolara em uma casa perto da praia, em busca de inspiração para escrever um livro sobre o sentido da vida. Certo dia, entediado e cansado de escrever, ele saiu para um passeio pelas areias da praia. Caminhou até um trecho repleto de ostras e avistou o vulto de uma pessoa, que ia e voltava, entre a areia e a água do mar. Quis ver de perto do que se tratava. O vulto que vira de longe era um rapaz que catava ostras na areia e as atirava de volta na água.

As ostras foram trazidas pelas ondas e ficaram encalhadas na areia e, se ali permanecessem, certamente morreriam, pois elas são como os peixes, dependem da água. O escritor  aproximou-se do jovem e perguntou: “O que está fazendo, rapaz?”, tendo o moço respondido: “Como o senhor pode ver, estou salvando as ostras, devolvendo-as ao mar”. O escritor, então, disse: “São milhares, talvez milhões delas espalhadas por centenas de quilômetros desta praia. De que adianta o que você faz, se não vai conseguir salvar todas? Que diferença então fazem essas poucas que você salva?”. O rapaz nada respondeu. Apenas pegou mais uma ostra, diante do escritor, e a jogou no mar. E disse: “Para essa ai, por exemplo, fez muita diferença!”  Pensem nisso!